sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Cadê as Circulares nºs 08 e 026/2015?

                                                                    Foto: UEFA.com

A epígrafe acima diz respeito a circular lançada pela CA/CBF em fevereiro de 2015, e revista com novas determinações à arbitragem em 22/4/2015 [http://cdn.cbf.com.br/content/201506/20150602110134_0.pdf] - para serem aplicadas pela confraria do apito brasileiro em todas as competições da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

A circular em tela, ganhou o nome de RESPEITO, em similaridade com a campanha implementada nos torneios da UEFA, por Pierluigi Collina (foto), eleito seis vezes consecutivas, o melhor árbitro de futebol do planeta pela FIFA e a Federação Internacional de História e Estatística do Futebol (IFFHS).

Portanto, os atos de indisciplina que estamos vivenciando diariamente pelos cartolas, técnicos e atletas, antes, durante e após os jogos do Campeonato Brasileiro, em todas as séries e na Copa do Brasil nesta temporada, tem e muito, a ver com omissão e conivência da arbitragem da Relação Nacional de Árbitros de Futebol (Renaf), que "esqueceram" de aplicar as indigitadas circulares contra os infratores das leis do jogo.

PS: Apliquem as REGRAS DO JOGO corretamente e, por extensão, a circular em tela - “A COR DA CHITA VAI MUDAR”. 
       Massimo Busacca, o chefe de arbitragem da FIFA de agasalho preto, a frente dos apitos de branco no seminário de árbitros da FIFA em Zurique - Foto- Net
A ÚLTIMA: Após Doha no (Qatar), Miaimi (EUA), a FIFA realizou o último seminário à arbitragem pre-selecionada para o Mundial masculino de 2018 na Rússia e Feminino na França em 2019, em Zurique, no período de 19 a 21 deste mês. Foram convocados (71) árbitros e árbitras, que participaram de testes médicos, físicos, teóricos, prática no campo de jogo e do árbitro de vídeo (AV). O derradeiro seminário da confraria do apito mundial foi comandado pelo diretor de arbitros da FIFA, o suiço Massimo Busacca.

  

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Uma imagem vale mais do que mil palavras


Quem é versado nas REGRAS DE FUTEBOL e tem um mínimo de equilíbrio - e observou as imagens repetidas exaustivamente em todas as redes de TVs, sobre as decisões da arbitragem no jogo de volta pelas oitavas de final da Copa do Brasil, entre Corinthians/SP 1 x 0 Fluminense/RJ, só tem uma posição a afirmar: Os três lances de impedimentos assinalados [CORRETAMENTE], contra a equipe do Tricolor das Laranjeiras - (dois assinalados pelo excelente árbitro assistente Ivan Carlos Bohn e o outro pelo excelente Bruno Boschilia), estão em conformidade com o prescrito na REGRA 11 – IMPEDIMENTO.

A mesma afirmação, vale para os dois “pênaltis” [Regra 14 - TIRO PENAL] - que teriam acontecido e reclamados exaustivamente pelos atletas e dirigentes do Fluminense não aconteceram – o árbitro Rodolpho Toski Marques (foto), [CORRETAMENTE], não caiu na “malandragem” dos atletas cariocas. Ótima arbitragem! - numa partida com alto grau de dificuldade e uma extraordinária atuação de trabalho em equipe do trio de arbitragem da Federação Paranaense de Futebol.

Se existir opiniões diversas sobre os cinco lances reclamados pelos cariocas neste prelio, elas só podes ser fruto do passionalismo, da sacanagem, da falta de conhecimento e da interpretação e aplicação das leis do jogo, acoplada a cultura ignorante e perversa, que grassa em todos os cantos do planeta terra contra a arbitragem.

Teste físíco da FIFA
Dia 28 de setembro, na cidade de Belo Horizonte (MG), sob os olhares imutáveis dos instrutores da FIFA, os apitos do futebol brasileiro que compõe o quadro da entidade internacional e alguns árbitros promissores, serão submetidos ao temível teste físico da FIFA e aos testes teóricos.

Cadê a Anaf?
É inaceitável o comportamento taciturno da Associação Nacional de Árbitros de Futebol (Anaf), sob o comando de Jamir Carlos Garcez, em relação ao “massacre” verbal e intimidatório, que vem sendo perpetrado contra a arbitragem no Campeonato Brasileiro. QUANTA OMISSÃO, QUE VERGONHA! Será que a Anaf só está interessada nos 5% das taxas que arrecada em todas as rodadas da arbitragem? Vota Marco Antonio Martins.


PS: O artigo 30 da Lei Nº 10.671, de 15 de maio de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Torcedor e outras providências diz que:  “É direito do torcedor que a arbitragem das competições desportivas seja independente, imparcial, previamente remunerada e isenta de pressões”. Cadê a Anaf e o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), já que a arbitragem é pressionada semanalmente antes, durante e após as escalas do Campeonato Brasileiro?
 

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Todos erram no futebol




Após concluir várias criações, DEUS criou o primeiro homem na face da terra, Adão, e o colocou no jardim do Éden para ser o mordomo do jardim. A Bíblia, o livro mais vendido e lido do planeta diz que: DEUS proferiu uma determinação à Adão com o seguinte conteúdo: ”De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore da ciência do bem e do mal, dela não comerás; porque o dia em que dela comeres, certamente morrerás”.

Persuadidos pela serpente a mais astuta das alimárias do campo, Eva caiu na tentação, comeu do fruto da árvore da vida e deu ao seu esposo Adão. A partir daquele ato a raça humana assinou sua sentença de morte e, por extensão, ficou suscetível ao erro "ad aeternun".

Feito o preâmbulo acima, no contexto do futebol as coisas não são diferentes. Os homens que laboram no esporte das multidões são seres humanos e estão vulneráveis ao erro. 

Os cartolas erram na contratação dos técnicos, dos atletas, nas finanças dos clubes que manejam e na escolha dos seus pares de diretoria; os treinadores erram nas escalações, substituições e nas indicações aos dirigentes quando da contração de jogadores; Os médicos erram no diagnóstico, e em muitas vezes no tratamento das contusões dos atletas; os preparadores físicos erram na carga de exercícios aos atletas e provocam nestes estafa e/ou lesões; os goleiros erram na distribuição de bola ou então quando saem mal da meta ou tomam um “frango”; os jogadores de linha erram sistematicamente durante as partidas uma enormidade de passes  e, por conseguinte, erram inúmeras vezes quando da marcação sobre os adversários, erram a cobrança do tiro penal, o que em muitas ocasiões, proporciona derrotas e a perda de classificação ou de títulos de fundamental importância às suas esquadras; a imprensa esportiva erra quando analisa de forma equivocada determinadas ações dos dirigentes, atletas, técnicos, médicos, preparadores físicos e da arbitragem e, por derradeiro, até mesmo os torcedores erram de diferentes maneiras. 

É uma cadeia de erros que não poupa ninguém - porque o erro é inerente a natureza humana, e todos nós temos limitações em diferentes áreas do nosso corpo, acrescida substancialmente a desobediência do homem com o seu Criador, DEUS.

E o árbitro de futebol erra? Erra e muito - porque também é humano, e está no mesmo diapasão de todos os seres humanos do planeta enquanto viver. Além disso, há uma diferença entre o árbitro e os demais que militam no futebol: todos tem tempo e  recebem treinamento para planejarem e executarem suas ações. Já o árbitro, com raríssimas exceções, toma decisões sob extenuante cansaço físico e mental em frações de segundos. 

Diante do exposto, exigir perfeição nas tomadas de decisões do árbitro e seus assistentes numa partida de futebol de média e/ou alta dificuldade, ou seja, em jogos onde ocorrem jogadas e condutas violentas, aplicação de vários cartões amarelos e/ou expulsões, confrontos, lances de alta complexidade (impedimentos milimétricos, faltas próximas ou em cima da linha da área penal ou dentro desta mesma área), é no mínimo injusto e em algumas situações uma grande ignorância. 

PS: Faço a análise em tela, após observar o início da temporada das ligas de futebol 2016/2017, da Alemanha, Espanha, Inglaterra, Itália e Portugal. E, por consequência, ter lido a avalanche de reclamações contra os homens de preto nos jornais (Bild e Die Tageszeitung) Alemanha, (Mundo Deportivo e Marca) Espanha, (Daily Mail e The Sun)Inglaterra, (Corriere Della Sera e Gazzetta Dello Sport)Itália, (Record, Sapo Desporto e a Bola) Portugal.   

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

APAF/PR e FPF juntos no combate à violência!

    Adriano Milczvski, presidente da Apaf/PR ao centro com a bola - Foto: Apaf/PR


A diretoria da APAF/PR juntamente com seu Assessor Jurídico, Dr. Eduardo Vargas, estiveram na última quarta feira, 14/09/2016, reunidos na sede da Federação Paranaense de Futebol em Curitiba solicitando PROVIDÊNCIAS e GARANTIA DE SEGURANÇA para todos os árbitros nos jogos do campeonato amador da Capital.

Eis que as agressões sofridas pelo colega Eduardo da Silva Silveira foram mais um capítulo da insegurança pela qual somos submetidos a cada rodada deste campeonato.

Levamos propostas concretas para serem colocadas nos próximos arbitrais e que esteja inseridos nos regulamentos posteriores, a saber que cada clube mandante tenha obrigação de contratar seguranças privados os quais garantam a segurança da equipe de arbitragem; que haja uma consulta ao Município de Curitiba para que este coloque Guardas Municipais à disposição em todos os estádios; também, que sejam responsabilizados civil e criminalmente os dirigentes de equipes que agredirem e/ou ameaçarem os árbitros durante estas partidas.

Estas propostas foram ouvidas pelo Presidente Hélio Cury, o qual estava consternado com todos estes acontecimentos e mostrou apoio irrestrito a nossas propostas e prometeu que não medirá esforços para atender a nossas reivindicações! Apresentamos ao Presidente um pedido formal de Providências para que seja analisado e atendido.

Importante salientar que o Departamento Jurídico da APAF deu todo apoio ao colega agredido, o qual fez Boletim de Ocorrência e já tem audiência criminal agendada contra os covardes agressores para o final de janeiro de 2017.

Também, foi apresentada notícia de infração junto ao Tribunal de Justiça Desportiva, sendo que está agendada para a próxima terça-feira, dia 20/09/2016 a audiência para punir os 6 covardes que agrediram o colega e também o clube a que são vinculados. Estes bandidos travestidos de atletas poderão pegar duras penas no tribunal desportivo, sendo que o clube poderá receber uma pesada multa por não ter coibido as agressões.

Na esfera criminal, irão responder por lesão corporal grave, podendo ser condenados a penas de RECLUSÃO que variam de um a cinco anos.

A APAF/PR não medirá esforços para punir os agressores e para proporcionar um ambiente mais seguro para todos os seus associados poderem desenvolver suas atividades.
  
FONTE: ASSOCIAÇÃO PROFISSIONAL DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL - APAF/PR

Nossa opinião: É louvável a atitude da APAF/PR, que tomou as medidas necessárias para tentar impedir que em pleno século 21, a agressão física deplorável, repugnante contra a arbitragem, como a acontecida no jogo Ipiranga x Sergipe, pela Série (B) do campeonato amador da Federação Paranaense de Futebol (FPF) - volte a ocorrer. Agora, conhecendo na íntegra a dinâmica do futebol paranaense, não acredito e nem desacredito que algo de concreto irá acontecer. Até porque, independente da competição da (FPF), AGREDIR A ARBITRAGEM no futebol do Estado do Paraná, tornou-se fato recorrente, independente do campeonato. Tem que punir o agressor e a equipe do agressor.