domingo, 19 de fevereiro de 2017

RECALCITRANTES A TECNOLOGIA

     Os jogos do Brasileirão/2017, dirigidos pelo excelente Marcelo de Lima Henrique ao centro, não terão o (AV) - Crédito: CBF
 

A FIFA após comprovar a eficiência de 100% da tecnologia na linha do gol, a partir de 2012, autorizou os clubes e as ligas europeias que manifestaram interesse em implementar a tecnologia na linha do gol nos seus campeonatos, a contatar com os laboratórios independentes: Sports Labs Ltda (Escócia), Labosport UK (Inglaterra), ISA Sport (Holanda) e EMPA (Suíça), já que estas empresas apresentaram os resultados esperados pela entidade que controla o futebol no planeta.

Desde 2012, essas companhias autorizaram o uso de dois modelos: Hawk-Eye, da Sony (Inglaterra) e Goal Control, de fabricação alemã. Os dois sistemas estão e/ou foram utilizados na KNVB (Holanda), na Premier League (Inglaterra), na Série (A) da (Itália), na Bundesliga (Alemanha), na Liga (1) (França), nas Copas de Portugal e nos torneios da UEFA e da FIFA.

Consultada a FIFA, a instituição afirmou que a iniciativa da contratação da tecnologia, cabe ao organizador da competição que deve fechar o contrato privado com os fornecedores homologados. A FIFA só verifica se a tecnologia empregada é correta.

Segundo a rede de TV inglesa (BBC), a Premier League (Inglaterra), pagou 12 milhões de euros (39,6 milhões de reais) por cinco anos à empresa Hawk-Eye. A Bundesliga (Alemanha), desembolsa pouco mais de 2,5 milhões de euros (8,2 milhões de reais) por temporada, também à Hawk-Eye.

A Liga de Futebol Profissional da Espanha (LFP), considerada uma das mais importantes do futebol mundial, é a única que não conta com a indigitada tecnologia. De acordo com o seu presidente, Javier Tebas, os altos custos econômicos inviabilizam a tecnologia na (LFP).

Tebas disse que, investir quatro milhões de euros (13,2 milhões de reais) num sistema que serviria para corrigir três ou quatro situações de “gol fantasma” por temporada, seria excesso. Essa foi a conclusão dos dirigentes dos clubes que disputam o torneio espanhol, quando a proposta foi feita, dois anos atrás.

Havia questões mais urgentes para tratar - recorda um porta-voz da (LFP), recordando a necessidade de sanear economicamente os clubes, cuja dívida em 2014, beirava os 450 milhões de euros (1,48 bilhão de reais), e desde então foi reduzida à metade.

Porém, há quem discorde do presidente da federação espanhola, argumentando que o desenvolvimento da tecnologia é de "apenas" 500.000 euros (1,65 milhão de reais), mas a FIFA cobra "quatro milhões de euros" pela homologação.

O presidente da (LFP) afirmou também que, há oito meses os espanhóis estão desenvolvendo o ÁRBITRO DE VÍDEO (AV) - estamos nas comissões da FIFA, e já realizamos alguns testes. A partir de 2018, se a FIFA decidir pelo (AV), instalaremos a arbitragem de vídeo, que é uma evolução na detecção automática de gols.

Mas os espanhóis não estão solitários contra a implementação da tecnologia, como ferramenta auxiliar à arbitragem. Na semana que passou, a CBF anunciou que os estratosféricos custos financeiros (R$ 20 milhões), é o principal obstáculo para a implantação do ÁRBITRO DE VÍDEO, no futebol pentacampeão.

Além do exposto, a CBF alegou que teria mais custos com a preparação e treinamento específico, que obrigatoriamente tem que ser exercido por ex-árbitros  - conforme Protocolo estabelecido pelo (The IFAB), na 130ª Reunião Geral Anual, em março de 2016.  
A verdade é que o experimento do (AV), além de ser caro financeiramente, tem um protocolo rigorosíssimo para ser cumprido - e quem não se submeter à esse  protocolo, não obtém o passaporte para realizar os testes.

PS: Um ex-árbitro da FIFA com livre trânsito junto a entidade internacional, que esteve recentemente em Zurique, sede da FIFA - quando perguntado a respeito da desistência do Brasil em relação ao (AV) este ano, foi taxativo: “Ambas, FIFA e o (The IFAB), sabem o que significará para a arbitragem em âmbito mundial o (AV). E é óbvio que não permitirão em hipótese alguma, que os testes do ÁRBITRO DE VÍDEO, fujam cem por cento do controle das duas entidades”.
 
PS (2): A tecnologia na linha do gol implementada pela FIFA, proporcionou a elucidação total, se a bola ultrapassou ou não a linha de meta na sua totalidade nas competições da FIFA, na Eurocopa e onde ela está sendo utilizada. O mesmo deve acontecer com o ÁRBITRO DE VÍDEO. Quando se gasta com a arbitragem não é custo – é investimento.

PS (3): Algumas informações da matéria em tela, foram obtidas junto ao PERIÓDICO EL PAÍS (ESPANHA).  

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Instrutores brasileiros participam de curso FIFA

                                                                  Crédito: CBF

Ana Paula Oliveira, coordenadora nacional de instrução (ENAF/CBF), e Paulo Camello, instrutor físico da entidade, estão em Algarve, Portugal, participando do Seminário de Preparação da Arbitragem para a Copa do Mundo da França 2019.
 
Participando das aulas desde o início da semana, Ana Paula comentou da importância do convite da FIFA para o seminário.
– Estamos em turmas diferentes. Eu participo da de instrutores técnicos, enquanto o Paulo está na dos instrutores físicos. É uma oportunidade única para a arbitragem brasileira, o que valoriza o trabalho da Comissão de Arbitragem da CBF.

Após o seminário com os instrutores, será a vez dos árbitros participarem das aulas. Entre as alunas, estarão a árbitra Edina Alves Batista, de 36 anos, e a assistente Tatiane Sacilotti dos Santos, de 30 anos. Pré-selecionadas para o próximo Mundial de Futebol Feminino, as duas chegam a Portugal na próxima semana e, neste período, serão orientadas pela FIFA sobre a atuação no próximo Mundial de Futebol Feminino.
Fonte: CBF

Por que não um intercâmbio com David Elleray?

                                                            Crédito: UEFA.com

Durante dois anos as Regras do Jogo que regem o futebol dentro das quatro linhas, foram analisadas e revisadas por uma comissão de alto nível. Após análise detalhada, sofreram profunda transformação na ortografia, na grafia, centenas de palavras foram subtraídas e outras mudanças foram implementadas, com o intuito de facilitar a leitura, o entendimento e o discernimento do árbitro, no momento em que for exigido a interpretar e aplicar as regras de acordo com o seu espírito precípuo, de nunca beneficiar o infrator.

Ressalte-se que, as transformações realizadas visaram também facilitar o entendimento e o discernimento dos adeptos do futebol (atletas, imprensa, cartolas e os torcedores).

O resultado das modificações das regras foram apresentadas há um ano atrás, na Reunião Anual de Trabalho do (The IFAB). Passado um ano, o que se observa é que as vicissitudes que ocorrem nas leis do jogo, foram de grande valia ao mundo que gravita no futebol.

O responsável por este trabalho de excelência nas leis que disciplinam o esporte das multidões, assim que a bola rola no campo de jogo, foi o inglês, David Elleray (ao centro de camiseta azul escuro na primeira fila) - uma das mais respeitadas personagens da arbitragem mundial na atualidade.

Elleray que tinha cuja profissão era professor de geografia, foi árbitro da The FA (Inglaterra) durante dezessete anos, sendo sete como árbitro da FIFA – atualmente, é diretor do Comitê de Árbitros da The FA (Inglaterra) -  membro do Comitê de Árbitros da UEFA. Diretor do Centro de Excelência de Requalificação de Árbitros da UEFA (CORE). Diretor do Painel Técnico Consultivo do (The IFAB), que tem o brasileiro Manoel Serapião como um dos seus integrantes - e é um dos principais mentores em conjunto com o brasileiro Serapião, do revolucionário projeto tecnológico do (The IFAB), no auxílio à arbitragem, que é o Árbitro de Vídeo (AV).
   David Elleray,  foi o responsável pela revisão do livro REGRAS DO JOGO 2016/2017 - Credito: FIFA.com - The IFAB
David Elleray, dado o seu Know-how inafastável de principal nome da arbitragem em âmbito planetário, foi convidado pelos organizadores do Congresso Internacional/Football Talsk – 2017 - evento que vai acontecer em Estoril (Portugal), no período de 22 a 24 de março próximo, como preletor das regras e do experimento Árbitro de Video.

Diante do exposto pergunto: Quais são os motivos que impedem a Confederação Sul-Americana de Futebol (CSF), ou até mesmo a CBF, já que ambas entidades teem patrocinadores de alta propulsão de promoverem em conjunto, evento senão de igual magnitude, mas próximo ao que ocorrerá em Portugal aos apitos e bandeiras da (CONMEBOL?) Já imaginaram o que o intercâmbio com David Elleray, acrescentaria em termos qualitativos (cultura da arbitragem fde futebol do mundial (usos e/ou costumes), visão amplificada de um autêntico árbitro FIFA, aos homens de preto do futebol da América do Sul? Isto significa investimento na qualificação do árbitro de futebol! 

PS (1): A FOLHA DE SÃO PAULO desta sexta (17), noticia a decisão da CBF em permitir que, árbitros acima dos (45) anos de idade, desde que preencham os requisitos exigidos nos pilares técnico, tático, físico e psicológico, atuem nas diferentes competições da entidade. 

PS (2): A atitude da CBF além de atender uma resolução da FIFA, é merecedora de elogios, porque, dá a oportunidade à apitos com o equilíbrio e a decência de Marcelo de Lima Henrique, de retorno a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro, de continuar a exercer o sibilino sacerdócio: ser ÁRBITRO DE FUTEBOL.

PS (3): A decisão da CBF de premiar os três melhores trios de arbitragens da Série (A), a cada rodada do Campeonato Brasileiro, é EXCLUSIVA do presidente da entidade Marco Polo Del Nero - me disse um interlocutor da própria CBF, nesta tarde de sexta-feira (17/2).

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

CURSO PARA PADRONIZAR CRITÉRIOS

      Rodolpho Toski Marques (FIFA/PR),  participou do Curso de Elite, FIFA/CBF -    Crédito: MHDB

Durante quatro dias, a CA/CBF reuniu aquele que é considerado o grupo de elite da arbitragem brasileira - os dez árbitros e os dez assistentes da Fifa, no Rio de Janeiro. O objetivo precípuo do curso foi, o de aprimorar os critérios na marcação das faltas e incorreções (próximas ao círculo central ou nas circunvizinhanças da área penal). 

Na aplicação da lei da vantagem. Na punição aos infratores quanto aos cartões amarelos e/ou vermelhos. No agarra-agarra dentro da grande área, lance que ocorre dezenas de vezes numa partida, e a maioria esmagadora dos árbitros, assistentes e quarto árbitros, por deficiência na acuidade visual ou porque não querem ver, não punem os infratores). Na sinalização do tiro penal, jogada que tornou-se de sibilina interpretação e aplicação aos apitos do nosso futebol. 

Na interpretação e marcação de um dos lances mais controversos à arbitragem do futebol pentacampeão, que é a (mão na bola ou bola na mão e/ou ação de bloqueio etc..), a fluidez do jogo (interromper o jogo somente quando necessário) e, talvez, a mais difícil de todas as regras, o impedimento.

Entendo que o seminário em tela realizado no início da temporada, é de enorme valia à arbitragem. Sobretudo, porque reuniu os apitos e bandeiras top de linha do nosso futebol, que são observados pelos demais membros da Relação Nacional de Árbitros da CBF/RENAF, como modelo – e, por extensão, o que viram, ouviram e leram no aludido curso, deve ser trabalhado diariamente no intelecto de cada um que participou, e divulgado àqueles que não participaram do evento - mas, são do quadro nacional. É o caminho para a tão sonhada padronização na interpretação e aplicação das REGRAS DO JOGO.

PS: Se a CBF deseja que a categoria dos homens de preto que laboram nas suas competições, atinjam senão na sua totalidade ou um percentual elevado do que foi preceituado no curso, deve fazer com que seus instrutores acompanhem e/ou orientem, capacitem ao longo do ano os componentes da RENAF. Porque se deixar a cargo das anacrônicas comissões de arbitragens e das fraquíssimas escolas de formação de árbitros das federações de futebol, a coisa vai para o "beleléu".

PS (2): A respeito do árbitro que irá comandar o clássico Atletiba, do próximo domingo (19), na Arena da Baixada, as exceções são Rafael Traci (Asp/FIFA) e Rodolpho Tóski Marques (FIFA). Os demais são árbitros comuns, e nada de excepcional acontecerá no  confronto em tela, se outro apito for designado.